Pular para o conteúdo principal

Vida de Giordano Bruno, um homem completo, à frente de seu tempo

Giordano Bruno foi um filósofo viajante, sem lar, perseguido por duas Igrejas, a Católica e a Protestante. Foi um autor produtivo, com cerca de 20 obras relevantes e revolucionárias. Nascido em 1548 e assassinado pela Inquisição em 1600, foi forçado a renegar a sua obra e os seus ideais, coisa que se recusou a fazer.

Foi uma inteligência multidisciplinar, cuja obra abrangeu da astronomia à epistemologia, passando pelas demais áreas do conhecimento humano da época.
Contestou fortemente as idéias predominantes no século 16, como o geocentrismo e o aspecto racional da fé. Ele pagou por seu brilho intelectual e seu inconformismo com a própria vida.

Giordano Bruno nasceu em 1548, cinco anos após a morte de Copérnico, na localidade de Nola, próxima ao Vesúvio, na Itália. Em 1561 ele iniciou seus estudos no Mosteiro de São Domenico, o mesmo mosteiro de São Tomás de Aquino.
Bruno, ao contrário de seus colegas, era franco, extrovertido, contestador e brilhante. Seu gênio indisciplinado impediria o prosseguimento de seus estudos no mosteiro, e futuramente lhe traria problemas sérios com a Inquisição. Também foi obrigado a deixar sua cidade natal e vagar pelo mundo.

Em 1581 Bruno chegou a Paris e começou a lecionar Filosofia. Sua reputação alcançou o Rei Henrique III, que ficou curioso com a fama de mágico e feiticeiro de Bruno, que tinha um conhecimento muito grande e uma memória fantástica, e acabou se tornando protegido de Henrique III.

Por esta época iniciou sua obra extremamente vasta e numerosa: "De Umbras Idearum" ("As Sombras das Idéias"), "Ars Memoriae" ("A Arte da Memória"), e outros. Giordano Bruno defendia, em plena época de Inquisição, que o Cristianismo era inteiramente irracional, contrário à Filosofia e em desacordo com outras religiões. Afirmava que o Cristianismo era aceito através da fé, que não tinha base científica.

Ao mesmo tempo em que escrevia outras obras filosóficas e de grande impacto, e já sendo considerado herege por católicos e protestantes, Giordano Bruno lecionou em toda a Europa, entre 1582 e 1592. Ensinava a doutrina de Copérnico, enfrentando o deboche das pessoas, acostumadas com a curta visão geocêntrica de Aristóteles e Ptolomeu.

No seu livro "De la Causa, Principio, et Uno" ("Da Causa, Princípio, e Unidade"), ele escrevia:
"Este globo inteiro, este astro, não sendo sujeito à morte, e a dissolução e a aniquilação sendo impossíveis na Natureza, de tempos em tempos renova a si próprio, mudando e alterando todas as suas partes. Não existe o superior e o inferior absoluto, como pensava Aristóteles; não existe posição absoluta no espaço, mas a posição de um corpo celeste é relativa à de outros. Em todo lugar há mudanças na posição através do Universo, e o observador está sempre no centro das coisas."

A par de outras obras que versavam sobre assuntos filosóficos, Giodano Bruno escreveu "O Infinito" e "O Universo e seus Mundos".

Por suas idéias revolucionárias e contrárias aos dogmas da Igreja (tanto da Católica quanto da Protestante), foi aprisionado em masmorras escuras e fétidas, entre 1593 e 1600. Forçado por diversas vezes a renegar seus escritos e suas idéias, permaneceu firme e intransigente na defesa dos mesmos.

Bruno foi julgado pela Inquisição e condenado à morte. Desafiando os juízes que o condenavam pelas suas idéias, bradou: "Talvez vocês, meus juízes, pronunciem esta sentença contra mim com maior medo do que eu a recebo".

Recebeu mais oito dias para se "arrepender", o que obviamente não fez. Em 17 de fevereiro de 1600, após ser colocado na estaca, enquanto estava morrendo queimado, recebeu um crucifixo para se "purificar", mas jogou-o longe, com um desprezo feroz.

Seus trabalhos foram incluídos no famigerado "Santo Index" (lista de livros considerados sacrílegos pela Igreja Católica, e proibidos de serem lidos) em 7 de agosto de 1603.

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



2012: Maias, Nostradamus e Nibiru

Sou mesmo muito curioso e atraído irresistivelmente para os mistérios que se me apresentam às vistas. Quando eu era criança, depois das aulas de Ciências, chegava da escola pra pesquisar como poderiam as formigas serem mais organizadas que os seres humanos em sua mini-sociedade. Como as abelhas determinavam quando ocupar uma área, criar ou abandonar uma colméia? Como poderia o ar, algo invisível, derrubar torres de energia e ainda as manifestações mediúnicas serem relegadas ao campo das superstições pela Ciência empirica e caolha?
Isso tudo me assombrava quando criança, e o cientista maluco mirim aqui era deixado de lado pelos covis dos populares no Colégio. Perguntavam-se como poderia um garoto de 10 anos de idade preferir jogar "futebol" com um frasco vazio de vinagre por tardes inteiras a juntar-se às algazarras dos campos de várzea? Não era por demasiado orgulho, embora este sobressaísse; era por saber que nosso tempo é mais útil se usado para nosso desenvolvimento inte…