Pular para o conteúdo principal

Oscar Wilde - Trechos de "O Recital do Cárcere de Reading"

Oscar Wilde nasceu em 16 de outubro de 1854 em Dublin, Irlanda. Filho de William Robert Wilde, cirurgião-oculista que servia à rainha. Sua mãe, Jane Speranza Francesca Wilde, escrevia versos irlandeses patrióticos com o pseudônimo de Speranza.Foi educado no Trinity College, Dublin e mais tarde em Oxford. Lá ele recebe a influência de Walter Pater e da doutrina da "arte pela arte".

Em 1879, vai para Londres, para estabelecer-se como líder do "movimento estético". Em 1881 é publicada uma coletânea de seus poemas. Em 1882, sem dinheiro, aceita participar de um ano de viagens entre USA e Canadá. Essa viagem lhe rendeu fama e fortuna.Em 1884, casa-se com a bela Constance Lloyd. Com a publicação de "Retrato de Dorian Gray", sua carreira literária deslancha.

Oscar e Constance tinham 2 filhos: Cyril e Vyvyan. Mas uma noite, Robert Ross, um hóspede canadense jovem, seduziu Oscar e forçou-o, finalmente, a confrontar-se com seus sentimentos homossexuais que o perseguiam desde a época em que era estudante.

Anos depois Oscar foi preso com acusações de conduta homossexual e sentenciado a 2 anos de prisão com trabalhos forçados, sendo a última parte em Reading Gaol. As condições calamitosas da prisão causaram uma série de doenças e o levou às portas da morte. Foi declarada, ainda, sua falência.Morreu como um homem arruinado em 30 de novembro de 1900.



Pensam que o coração de quem matou,
tisna a semente dadivosa.
Não! A Terra
de Deus é acolhedora,
e, mais que o homem, generosa:
mais rubra floriria a
rosa rubra
e mais de neve a nívea rosa!
Brotar-lhe-ia uma rosa cor de
sangue
da boca! E, branca, outra do peito!
Quem sabe? Tem Jesus estranhas
vias,
e é estranho, às vezes, seu conceito:
- fez, outrora, ante um Papa,
abrir-se em flores
seco bordão de um Seu eleito.
Mas nem rosas vermelhas,
nem de neve,
podem florir nestes terrenos.
Só nos dão cacos, sílex e
pedras;
só nos dão mágoas e venenos...
A flor abranda o Desespero aos
simples,
- e é crime, aqui, sofrer de menos.
Ah! jamais rosas brancas ou
vermelhas
pétala a pétala cairão
sobre essa lama em que ele dorme,
unido
ao muro hediondo da Prisão,
- pra lembrar que Jesus morreu por
todos,
a nós, e aos outros que virão!

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



Malandro no Limbo

MALANDRO NO LIMBO
Para Edgar Allan Poe, in memoriam.


Deita-te, Malandro, Até a música acabar, O Tempo parar, O Limbo lamber, E o bardo gemer!
Senta-te, aqui, Malandro!  Tire esse escafandro Que te cobre! Oh, pobre  Malandro! Como o louco danças; Ris, te retrais num meandro, Te laceras entre os matos... Avanças!
Sim, avanças intrépido Por essa estrada curva. E, por mais que a água Te seja turva, Te apegas ao teu cajado lívido E te lanças...
Ah, essas crianças.... Coitadas, matreiras, Que paixões faceiras Elas te insuflam!
Mas, não te aflijas, Malandro! As folhas de Coqueiro Até hoje me camuflam; Essas quais te dão cheiro, Charme e te são por travesseiro.
Elas te protegerão do Céu Que te esmaga; Te sustentam o Véu Que te puxa... Vai-te, joga-te! Paga!
Dissolve esse breu medonho! Não te entendem jamais Quando grita do teu Profundo Inferno, esse seu Demônio! Que na Vida te ponho, Recobro, te assanho! Não ri o que pensa que venceu, Quando a Vitória desapareceu, Nessa Vida que é  Um Sonho dentro de um Sonho?



*******
Visite meu outro blo…