Pular para o conteúdo principal

Considerações sobre o Karma

É claro que a Lei de Causa e Efeito (Lei do Karma) têm muito a ver com o determinismo dos efeitos das escolhas, mas... o determinismo que mais assombra e confunde é o relacionado às tendências instintivas manifestas nos mundo material.

Aqui somos também animais, influenciados o tempo todo pelos instintos físicos, reflexivos por si só. Então quando alguém diz prever o futuro, têm-se a impressão de que fulano determinou que aquilo irá acontecer, mas o que ocorre é que fulano calcula e vislumbra os efeitos futuros de uma tal tendência, levando-se em conta vários fatores psicológicos e ambientais. Por exemplo: uma pessoa deve atravessar um tal evento, uma doença grave. Essa pessoa é pouco espiritualizada. Então, pelas tendências, calcula-se que essa pessoa irá reagir de forma negativa, recusando-se ser atravessada pelos efeitos do evento, revoltando-se. Ser positivo nessa hora, não significa exatamente esperar pela cura. Isso já é instintivo, a esperança de sobreviver. Ser positivo é andar pra frente e enfrentar. Cumprir o que tem de ser cumprido.Se a pessoa se revoltar, vai estender os reflexos dos efeitos da tendência (a doença, nesse caso) por muito tempo desnecessariamente. Se aceitar, vai enfrentar, passar pelos efeitos passageiros e cíclicos da vida, falecer, se for o caso, ou viver, se for possível, e pronto!! Aquele nó será desfeito!! Mas quanto mais puxamos a corda, mais o nó se aperta!! É o instinto que age por nós nesse caso, e não a Razão.

O instinto é que se debate contra algo que temporariamente nos tira do conforto da matéria e nos traz a dor da matéria. Vejam os animais, os mais instintivos de todos: um gato, quando fica doente, ele não esperneia, ele aceita a doença e se retira para um lugar de paz, para penar sozinho. Aceita e a natureza faz o seu trabalho. Algums vezes se cura ou é curado, outras não. Afinal, "a morte é o trabalho da Vida"!! O Karma, para ser desfeito, depende de nos sobrepormos aos reflexos dos instintos. Se alguem me bater, eu devo me esforçar e não matá-la simplesmente. A Razão deve vencer os Instintos!!

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



2012: Maias, Nostradamus e Nibiru

Sou mesmo muito curioso e atraído irresistivelmente para os mistérios que se me apresentam às vistas. Quando eu era criança, depois das aulas de Ciências, chegava da escola pra pesquisar como poderiam as formigas serem mais organizadas que os seres humanos em sua mini-sociedade. Como as abelhas determinavam quando ocupar uma área, criar ou abandonar uma colméia? Como poderia o ar, algo invisível, derrubar torres de energia e ainda as manifestações mediúnicas serem relegadas ao campo das superstições pela Ciência empirica e caolha?
Isso tudo me assombrava quando criança, e o cientista maluco mirim aqui era deixado de lado pelos covis dos populares no Colégio. Perguntavam-se como poderia um garoto de 10 anos de idade preferir jogar "futebol" com um frasco vazio de vinagre por tardes inteiras a juntar-se às algazarras dos campos de várzea? Não era por demasiado orgulho, embora este sobressaísse; era por saber que nosso tempo é mais útil se usado para nosso desenvolvimento inte…