Pular para o conteúdo principal

Meu Tempo Não-Linear (Meu Rio)

image

I - Fervente

  • Meu tempo, fervendo,
  • Um rio nascendo
  • Imerso n’água,
  • Nada vendo, me aquecendo.
  • Meu tempo, fervendo,
  • Um rio nascendo,
  • Subindo e virando,…
  • E a vida crescendo.
  • Meu tempo, fervendo,
  • Um rio nascendo,
  • Dormindo, rolando…
  • O que está acontecendo?

II - Corrente

  • Meu tempo, correndo,
  • Um rio descendo,
  • E as pedras clamando…
  • De limo se enchendo.
  • Meu tempo, correndo,
  • Um rio, tudo vencendo.
  • Corredeira passando…
  • Novos sons se espalhando.
  • Meu tempo, correndo,
  • Um rio, e a terra tremendo
  • Do útero adentro
  • Para o mundo, para o centro!!

III - Enchente

  • Meu tempo, entendo
  • É um rio enchendo;
  • As árvores, os peixes fitando
  • E o Sol me amornando.
  • Meu tempo, me vendo,
  • Sou um rio enchendo;
  • Meu curso tecendo,
  • Minhas curvas criando.
  • Meu tempo, me lendo.
  • Fertilizo este mundo,
  • Sou para tudo fecundo.
  • Serei o que pretendo.

IV - Persistente

  • Meu tempo, presente.
  • No corpo valente,
  • O feminino gritando,
  • Levando minha semente.
  • Meu tempo, permanente.
  • Um tanto persistente.
  • Cruzando e lavando
  • Pedra e pedra, mudando.
  • Meu tempo, vivente.
  • Turbilhão vai subindo.
  • Flutuando e caindo,
  • Por que grita tanta gente??

V – Descendente

  • Meu tempo, ainda quente,
  • Um rio que se ressente.
  • Deixando pra trás pau e folha,
  • Permitindo assim que se colha.
  • Meu tempo, minha gente.
  • Um rio com afluente,
  • Pra regar os pastos
  • Dos rincões mais vastos.
  • Meu tempo, meu tenente.
  • Um rio de viajantes.
  • Leva aos lagos verdejantes
  • Meus legados, envolvente.

VI – Imanente

  • Meu tempo, minha mente,
  • Um mar, bem em frente.
  • Antes, de um lado, caranguejo
  • É tudo o que eu vejo!!
  • Meu tempo, reminiscente.
  • Um mar, um ensejo.
  • Por mais que eu tente,
  • Não me lembro do primeiro beijo.
  • Meu tempo, de repente,
  • É o mar que eu almejo!!
  • Um sal que me alente,
  • Peço, mais um desejo!!

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



Malandro no Limbo

MALANDRO NO LIMBO
Para Edgar Allan Poe, in memoriam.


Deita-te, Malandro, Até a música acabar, O Tempo parar, O Limbo lamber, E o bardo gemer!
Senta-te, aqui, Malandro!  Tire esse escafandro Que te cobre! Oh, pobre  Malandro! Como o louco danças; Ris, te retrais num meandro, Te laceras entre os matos... Avanças!
Sim, avanças intrépido Por essa estrada curva. E, por mais que a água Te seja turva, Te apegas ao teu cajado lívido E te lanças...
Ah, essas crianças.... Coitadas, matreiras, Que paixões faceiras Elas te insuflam!
Mas, não te aflijas, Malandro! As folhas de Coqueiro Até hoje me camuflam; Essas quais te dão cheiro, Charme e te são por travesseiro.
Elas te protegerão do Céu Que te esmaga; Te sustentam o Véu Que te puxa... Vai-te, joga-te! Paga!
Dissolve esse breu medonho! Não te entendem jamais Quando grita do teu Profundo Inferno, esse seu Demônio! Que na Vida te ponho, Recobro, te assanho! Não ri o que pensa que venceu, Quando a Vitória desapareceu, Nessa Vida que é  Um Sonho dentro de um Sonho?



*******
Visite meu outro blo…