Pular para o conteúdo principal

O Primeiro Beijo

Bem, em geral, o primeiro beijo é como todo rito de passagem (salvo quando sem querer ou por violência). Rito de passagem? E o que seria um rito de passagem?? Que diabos é isso?? Para mim, um rito de passagem é todo e qualquer evento que faz um indivíduo transcender de um estágio a outro de sua existência, tanto a nível social, econômico, filosófico ou moral. E o rito de passagem tem, como primeira função, o objetivo de prover uma pessoa dos meios de satisfazer uma necessidade, presente ou futura. Exemplos disso: uma iniciação religiosa,em que o indivíduo é imbuído de novas funções na religião de um grupo; o trote (respeitoso) dos calouros que recém-ingressam nas universidades...

E o primeiro beijo?? Seria um tal rito desses?? Sim, é claro. O menino ou menina, que tem seu corpo transformando-se para um corpo mais apto à reprodução e à luta pela vida, precisa desse primeiro contato, que é a porta de entrada dos sentidos, o contato do olfato-paladar. Quando nascemos, lá está o olfato-paladar a nos apresentar a mãe, no período da amamentação, seguido do tato, audição e, por último a visão. É curioso: pois na adolescência, me lembro, foi nessa sequência que amadureci sexualmente. O carinho do sexo oposto, apresentado primeiramente pelo primeiro beijo (olfato-paladar), depois pelo tato (abraços e carícias), seguido pela audição (sons da excitação externada) e por último, a visão (da nudez, da mecânica da reprodução e do prazer).

Meu primeiro beijo foi estranho. Eu, saindo da escola, envergonhado que era, vi que uma guria me olhava (me comia com os olhos) sem parar. Eu me aproximei, meio que disfarçando. Ela nem me disse nada, muito menos eu precisei inventar algo pra falar. Me tascou um beijo, e eu já emendei outro. Nunca tinha beijado (óbvio!!) e me vi beijando profissionalmente. Quando menino, sempre tinha aquele negócio de treinar em algo (pulso, sorvete, etc.), mas sempre achei que aquilo não funcionava. Era simplesmente, e hoje percebo isso, o instinto. Era instintivo: está nos genes!! Somos animais também, somos permeados em nossas almas pelos instintos. Já nascemos meio que intuindo (instinto= intuição inferior, latente) o que vamos fazer, o que precisamos fazer. Está ali, tudo pronto, uma massa de modelar, uma comida semi-pronta sendo descongelada no microondas do nascimento.

Cá estou, pronto, desenvolvido, com um filho de 9 anos. Naquele dia eu já era um homem. Não um homem completo, mas um homem mesmo assim. Não havia transposto ainda aquele limiar do beijo, mas pouco a pouco, vamos transpondo, um a um, as barreiras que nos separam da nossa felicidade, que consiste em satisfazer nossas necessidades, materiais, espirituais e sociais. Que bom seria que, entre nossas necessidades, estivesse também a de satisfazer a dos que não podem se satisfazer com o mínimo!! Pois, se a felicidade consiste, também, em ter e inventar mais e mais necessidades, e satisfazê-las, seria ótimo que quiséssemos acudir mais e mais necessitados...

Um dia queria beijar, quando era menino. Não conseguia, pela timidez. E alguém, que nem sei onde está agora, me ajudou nisso. Pode parecer uma coisa banal. Mas, naquele momento, para mim, não havia coisa mais importante no mundo acontecendo que meu primeiro beijo!!

Comentários

  1. Meu primeiro beijo não foi lá um conto de fadas. O boyzinho me pegou na marra, dentro do cinema bem na hora que o personagem do filme, uma foca, levava uma pedrada e morria.

    Então a foca aqui ficou muito tempo com medo, até que as coisas foram andando, hora na laranja, hora na fechadura da sala pra espiar nas novelas, as informações das amigas até que chegou o grande e ótimo beijo.

    E entre o máximo e o mínimo fico com a escala ascendente de cada um. Tudo a seu tempo.

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo Ebrael, lindo o seu depoimento. O primeiro beijo é inesquecível.
    Você se tornou um homem maravilhoso e sensível, pois como mostras em seu texto se lembra das pessoas necessitadas.

    Abração.

    ResponderExcluir
  3. lá poeta Ebrael... questão interessante essa sua abordagem..o primeiro beijo. Nossa me fez voltar aos meus 13 anos numa festinha de hifi tão comum na época onde eu acabaria dando meu primeiro beijo com um rapaz pelo nenos 5 anos mais velho. Nos momentos que precederam ao beijo parecia que meu coração saltaria pela boca, mais depois do primeiro contato boca a boca, foi como descreveu, instintivo... parecia que minha boca tinha descoberto sua terceira função,além de servir para se comunicar e se alimentar, ela poderia me proporcionar prazer (um prazer inocente na época claro).
    Para mim não existe carinho mais íntimo que o beijo (mesmo que muitos considerem o sexo) , ali não tem como se fingir, se não existir uma união química/emocional/pele nem adianta tentar partir pros outros sentidos como você mesmo descreveu.
    Adorei a reflexão... falar de beijo para mim que amo beijar é sempre um prazer!

    Beijos em seu lindo coração!
    Márcia Canêdo

    ResponderExcluir
  4. Olá Ebrael,

    Eu penso que o primeiro beijo é mesmo inesquecível. Bem, eu tinha um namorado, um colega da minha turma, tão bicho do mato como eu. Namorávamos e ambos ansiávamos trocar alguns carinhos mais, do que dar as mãos a caminho do liceu. Mas o meu primeiro beijo, tantas vezes imaginado e colorido, foi uma decepção! Nada do transcendente que eu tinha posto na minha imaginação lá estava. No dia seguinte foi melhor e no outro foi mágico. rsrs

    Bela crónica.

    Beijos
    Luísa

    ResponderExcluir
  5. Olá Ebrael,

    Eu penso que o primeiro beijo é mesmo inesquecível. Bem, eu tinha um namorado, um colega da minha turma, tão bicho do mato como eu. Namorávamos e ambos ansiávamos trocar alguns carinhos mais, do que dar as mãos a caminho do liceu. Mas o meu primeiro beijo, tantas vezes imaginado e colorido, foi uma decepção! Nada do transcendente que eu tinha posto na minha imaginação lá estava. No dia seguinte foi melhor e no outro foi mágico. rsrs

    Bela crónica.

    Beijos
    Luísa

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Como quase tudo que é primeiro, o primeiro beijo é inesquecível, principalmente aquele que é muito bom.

    Abraços

    Francisco Castro

    ResponderExcluir
  7. Não quero nem lembrar do meu primeiro beijo, viu? Já esqueci...rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Olá querido amigo Ebrael.

    Parabéns pelo post.
    Excelente texto narrando seu primeiro beijo, a primeira emoção.
    Fiz um grande esforço de memória, mas não consegui lembrar do meu primeiro beijo. Faz tanto tempo...e olha que sou romântica e só tive um namoradinho antes do meu marido.
    É a idade..rsrsrs....

    Carinhoso e fraterno abraço,
    Lilian

    ResponderExcluir
  9. primeiro beijo realmente e inesquecivel... mas depois isso fica pra tras... vc se apaixona por outro e nem se lembra mais...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sejam bem-vindos!!

Se você quiser fazer um comentário, colocar alguma sugestão ou fazer uma reclamação, assim como deixar um elogio, sinta-se à vontade!!

Pedimos apenas que evite apontamentos preconceituosos de qualquer natureza. Palavras ofensivas e agressões gratuitas serão vetadas no ato da moderação.

No mais, agradecemos por sua visita, esperando que a leitura de nossas Memórias lhe tenha sido agradável. Desejamos que volte sempre que quiser!!

Paz Profunda!!

Ebrael Shaddai

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



2012: Maias, Nostradamus e Nibiru

Sou mesmo muito curioso e atraído irresistivelmente para os mistérios que se me apresentam às vistas. Quando eu era criança, depois das aulas de Ciências, chegava da escola pra pesquisar como poderiam as formigas serem mais organizadas que os seres humanos em sua mini-sociedade. Como as abelhas determinavam quando ocupar uma área, criar ou abandonar uma colméia? Como poderia o ar, algo invisível, derrubar torres de energia e ainda as manifestações mediúnicas serem relegadas ao campo das superstições pela Ciência empirica e caolha?
Isso tudo me assombrava quando criança, e o cientista maluco mirim aqui era deixado de lado pelos covis dos populares no Colégio. Perguntavam-se como poderia um garoto de 10 anos de idade preferir jogar "futebol" com um frasco vazio de vinagre por tardes inteiras a juntar-se às algazarras dos campos de várzea? Não era por demasiado orgulho, embora este sobressaísse; era por saber que nosso tempo é mais útil se usado para nosso desenvolvimento inte…