Pular para o conteúdo principal

Código Secreto do Imperador romano Augusto

Em primeiro lugar, gostaria de inaugurar esta seção, dizendo que já me utilizei muito da in-utilidade neste post descrita. No livro Eu, Cladius, Imperador, de Robert Graves, o autor menciona brevemente, um código utilizado por César Augusto, imperador de Roma, o primeiros dos 12 Césares, e sua mulher Lívia Bruaca Augusta, em correspondências sigilosas acerca de ngócios escusos com o dinheiro público e negociatas com magnatas da época, incluindo senadores. Be, desnecessário dizer porque a civilização ocidental é tida como herdeira cultural de Roma, mais flagrantemente a "civilização brasileira.

Esse é um código virtualmente indecifrável por pessoas que não possuam sua chave. Eu sempre utilizei para anotações confidenciais, na maior parte das vezes, quando queria falar mal de minhas namoradas, das namoradas dos outros e desses outros.

Imagine que você quer codificar um texto. A esse, chamo máquina ou fechadura. E você precisa de um padrão ou mecanismo pra codificar e depois decodificar (a ser usado por uma só pessoa ou mais de uma, ou mesmo um grupo). A isso, denomino alavanca ou chave.

Agora tenha em mente o alfabeto, e suas letras representadas por valores numéricos sequenciais, tais como A=1, B=2, C=3, etc.
Depois de ter a máquina em mãos, você deve criar uma chave personalizada para destravá-la. Deve ser conhecida apenas, obviamente para os fins propostos, pelas pessoas autorizadas. A chave deve ser uma frase que possa ser de conhecimento do grupo e fácil a ele de reconhecer. Uma frase ou uma sequência numérica.

Vamos escrever então a tabela das letras-número:


A=1 B=2 C=3 D=4 E=5 F=6 G=7 H=8 I=9 J=10 K=11 L=12 M=13 N=14 O=15 P=16 Q=17 R=18 S=19 T=20 U=21 W=22 X=23 Y=24 Z=25 Outros casos -->> Ã=27 Ç=28 Õ=29.

---Exemplo Prático---

Máquina:
-->> DEUS ME AJUDOU E EU GANHEI DINHEIRO. (Herói da canastrice legislativa brasileira, João Alves)
Alavanca:
-->>DEUS É BRASILEIRO.

D
epois, coloca-se a máquina encima e a alavanca embaixo, letra embaixo de letra, eliminando-se os espaços. Quando a alavanca acaba, repete-se ela até a última letra da máquina.

D E U S M E A J U D O U E E U G A N H E I D I N H E I R O
.
D E U S E B R A S I L E I R O D E U S E B R A S I L E I R


Atribui-se os valores numérico a cada letrana parte de cima e na parte de baixo. Valor sobre valor, diminui-se (valores em azul são os resultados das subtrações, ou seja o próprio código completo):

/4. 5. 21. 19. 13. 5. 1. 10. 21. 4. 15. 21. 5. 5. 21. 7. 1. 14. 7. 5. 9. 4. 9. 14. 8. 5.
9. 18. 15./
/ 4. 5. 21. 19. 5. 2. 18. 1. 19. 9. 12. 5. 9. 18. 15. 4. 5. 21. 19. 5. 2. 18. 1. 19. 9.12.
5. 9. 18./


/0. 0. 0. 0. 8. 3. -17. 9. 2. -5. 3. 16. -4. -13. 6. 3. -4. -7. -12. 0. 7. -14. 8. -5. -1. -7.4. 9. -3./


As frases tem separação entre palavras por meio de barras. Pontos finais, de exclamação, interrogaçetc., são postos fora, entre as barras. Toda frase começa com duas barras e termina também com duas barras.


-->>Decodificando:

É só aplicar o processo inverso, colocando-se o código completo encima, e somando aos valores da chave, número sobre número. Aos resultados, deduz-se as letras do texto original.

Eu digo que esse padrão de código o torna indecifrável porque, embora se conheça o padrão em si de funcionamento, a chave em si é totalmente aleatória. Se a pessoa que está codificando for suficientemente cuidadosa para não formular uma chave que se relacione com ela diretamente e sim, é claro, uma que seja impessoal, o código se torna o mais fechado e perfeito que conheço, desde que a chave não seja descoberta. A cada letra "a" pode-se atribuir e resultar em um valor numérico codificado diferente, um número 1 ou 15, etc, pois que o "a" vai ter um valor diretamente ligado à letra-número que lhe é correspondente, na sequência de codificação pela chave. No exemplo acima, a primeira letra "e" foi codificada como "0" (zero), enquanto a segunda, na sequência, ficou "3"... E assim por diante... O que determina o código, na codificação e na decodificação é a chave.



Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



2012: Maias, Nostradamus e Nibiru

Sou mesmo muito curioso e atraído irresistivelmente para os mistérios que se me apresentam às vistas. Quando eu era criança, depois das aulas de Ciências, chegava da escola pra pesquisar como poderiam as formigas serem mais organizadas que os seres humanos em sua mini-sociedade. Como as abelhas determinavam quando ocupar uma área, criar ou abandonar uma colméia? Como poderia o ar, algo invisível, derrubar torres de energia e ainda as manifestações mediúnicas serem relegadas ao campo das superstições pela Ciência empirica e caolha?
Isso tudo me assombrava quando criança, e o cientista maluco mirim aqui era deixado de lado pelos covis dos populares no Colégio. Perguntavam-se como poderia um garoto de 10 anos de idade preferir jogar "futebol" com um frasco vazio de vinagre por tardes inteiras a juntar-se às algazarras dos campos de várzea? Não era por demasiado orgulho, embora este sobressaísse; era por saber que nosso tempo é mais útil se usado para nosso desenvolvimento inte…