Pular para o conteúdo principal

Menino relata como é a "Casa da Morte" na Faixa de Gaza

Por Nidal al-Mughrabi

GAZA (Reuters) - "Abu Salah morreu, a mulher dele morreu. Abu Tawfiq morreu, o filho dele morreu, a mulher dele também morreu. Mohammed Ibrahim morreu, e a mãe dele morreu. Ishaq morreu e Nasar morreu. A mulher de Nael Samouni morreu. Muitas pessoas morreram."

"Acho que mais de 25 pessoas morreram", disse Ahmed Ibrahim Samouni, menino palestino de 13 anos que sofreu ferimentos na perna e no peito, mas sobreviveu aos morteiros israelenses disparados contra uma casa no norte da Faixa de Gaza em 5 de janeiro.

Segundo um relatório do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (Ocha, na sigla em inglês), pelo menos 30 pessoas foram mortas no incidente. A maioria delas era da família de Samouni.

A vice-chefe do Ocha, Allegra Pacheco, citou testemunhas oculares no distrito de Zeitun, que teriam dito que tropas israelenses ordenaram a cerca de 100 civis que entrassem na casa e ficassem ali, fora do caminho. Mas no dia seguinte a casa foi atingida por morteiros israelenses.

"Não há abrigos antibomba na Faixa de Gaza", disse Pacheco.

Um porta-voz do Exército israelense negou na sexta-feira a acusação.

"As forças de defesa de Israel (IDF) não reuniram pessoas em qualquer construção", disse Jacob Dallal à Reuters. "Além disso, nós checamos com atenção os disparos do IDF no dia 5. O IDF não atingiu qualquer construção em ou perto de Zeitun no dia 5."

Em declarações feitas à Reuters desde seu leito de hospital na Faixa de Gaza, o menino relatou como sua família foi levada à casa que mais tarde foi alvejada.

"Estávamos dormindo quando os tanques e os aviões atacaram. Dormíamos todos num quarto só", contou Samouni, em voz fraca. "Um morteiro atingiu nossa casa. Graças a Deus, não fomos atingidos", acrescentou.

"Corremos para fora e vimos 15 homens. Eles desceram de helicópteros sobre os telhados das casas." Os soldados espancaram moradores e os forçaram a entrarem todos em uma casa.

Depois de a casa ser atingida, no dia seguinte, e de sua mãe ser uma das pessoas mortas, Samouni manteve vivos seus três irmãos menores e tentou ajudar adultos feridos estirados entre os mortos.

"Não havia água, não havia pão, não havia nada para comer", disse.

Funcionários locais do Crescente Vermelho e uma equipe do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) conseguiram chegar até a casa em 7 de janeiro, depois de ter seu acesso a ela negado pelos militares israelenses pelo que a Cruz Vermelha considerou "um período de tempo inaceitável".

O comitê disse que, quando a ajuda finalmente chegou ao local, as crianças estavam famintas.

Barreiras de terra erguidas por máquinas de terraplanagem israelenses bloqueavam as ruas, impedindo o acesso de ambulâncias. "Os feridos tiveram que ser retirados em carroças puxadas por burros", disse Pacheco à Reuters.

"É um incidente chocante", afirmou Pierre Wettach, chefe do CICV em Israel e nos territórios palestinos ocupados.

A CICV acusou Israel de atrasar o acesso de ambulâncias à área e exigiu que garanta acesso seguro a ambulâncias do Crescente Vermelho palestino, para que possam retornar e retirar mais feridos.

Em resposta escrita, o Exército israelense disse que trabalha em coordenação com organismos internacionais de assistência "para que ajuda possa ser fornecida a civis" e que "de maneira alguma alveja civis intencionalmente".

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



2012: Maias, Nostradamus e Nibiru

Sou mesmo muito curioso e atraído irresistivelmente para os mistérios que se me apresentam às vistas. Quando eu era criança, depois das aulas de Ciências, chegava da escola pra pesquisar como poderiam as formigas serem mais organizadas que os seres humanos em sua mini-sociedade. Como as abelhas determinavam quando ocupar uma área, criar ou abandonar uma colméia? Como poderia o ar, algo invisível, derrubar torres de energia e ainda as manifestações mediúnicas serem relegadas ao campo das superstições pela Ciência empirica e caolha?
Isso tudo me assombrava quando criança, e o cientista maluco mirim aqui era deixado de lado pelos covis dos populares no Colégio. Perguntavam-se como poderia um garoto de 10 anos de idade preferir jogar "futebol" com um frasco vazio de vinagre por tardes inteiras a juntar-se às algazarras dos campos de várzea? Não era por demasiado orgulho, embora este sobressaísse; era por saber que nosso tempo é mais útil se usado para nosso desenvolvimento inte…