Pular para o conteúdo principal

Soneto dos Ventos de Verão

Água do céu de minha vida inquietante,
Beijou o meu mar com desejo de juntar
Inteiras metades de um bruto diamante,
Saciando nossa vontade da paixão realizar.

Amarra de meu porto forte, em ti provei
Gosto do mel divino de mulher, bebi
Ultimamente de teu corpo ardente, gozei
Enlaçado pela magia de teu olhar, em ti revivi.

E correram suas mãos em mim como um furacão;
Jubilou-se a natureza impetuosa que quer e mais quer
Unir o céu e a terra, atar a Razão ao Coração.

Lamento apenas não saber do vento fazer canção;
Imerso em chuva ou temporal, mas da brisa que vier,
O prazer desse Anjo de Pecado caia no colo dessa Mulher.

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



Mataram meu gato!!

Esse é, verdadeiramente, um diesirae, um Dia de Ira. Triste também, mas sobretudo revoltante. De onde surge um ser, que se diz pensante, e mata, covardemente, um ser indefeso, um gato que não fazia mal a ninguém. Se ele mata um ser inocente, o que diria ele que fizéssemos a um ser culpado como ele??

Mataram meu gato!! Envenenaram meu gato!! Acordei, e lá estava ele, imóvel. Nessas horas, vejo que, mesmo que perdoássemos tais elementos, eles não seriam dignos de tal indulgência. Quem deveria estar morto era o covarde que fez isso, e não a pobre criatura, que não pedia mais do que água, comida e um lugar para dormir. É o terceiro gato que perco envenenado aqui, onde eu moro. Mas eu vou descobrir, e quando eu descobrir... ah! quando eu descobrir!!

Nessas horas é que duvido que o perdão valha de algo!! Pois o que está feito, está feito. Há que haver reparação!! Se não houver, esse filho-da-puta vai ficar me devendo essa conta. Aceitar tudo pacientemente, dar a outra face ao tápa ignóbil é c…